Tumblelog by Soup.io
Newer posts are loading.
You are at the newest post.
Click here to check if anything new just came in.
celindaduterrau7

Como Solicitar Um Homem Em Casamento?

Como Conquistar Um Homem. 10 Dicas Infalíveis


A morte de Hugh Hefner, inventor da revista Playboy aos 91 anos, governa essa crônica. Com 81 anos e sem ter inventado coisa alguma, eu mal acredito que fui tachado de “playboy de Icaraí” por um tio da minha namorada. Se toda donzela tem um pai que é uma fera, ela assim como conta com “tios” e “irmãos” fascistoides cujo amo é liquidar seus romances. Antes da Playboy, o “playboy” era um “aproveitador” de gurias inofensivos. Um 'Participei De Uma Sexy Party': Carnaval é época De Se Libertar Sexualmente? , como os fedelhos de minha formação, eu fui muito mais virgem do que as criancinhas teoricamente virgens que namorei.


Em uma data em que “mulher nua” era sinônimo de raridade, todos tinham fotografias e revistas de “sacanagem” escondidas em gavetas que nossas mães conheciam muito bem. Muitas vezes, essas preciosidades promovedoras de volumoso trabalho manual eram subtraídas por uma silenciosa e não prevista mão invisível. ”, diziam as guardiãs de nossas castidades.


Os mais adolescentes podem esboçar um riso condescendente. Apesar de tudo, eles têm mais do que podem conceder conta na internet. Entretanto os da minha geração lembram como era duro viver entre as desmedidas fantasias de ingerir a mãe do camarada e amar sem culpa as nossas namoradas. A mulher como uma impossibilidade figurava naquela paisagem. Visualize 4 Dicas Infalíveis Pra Conquistá-los! : Um dia eu vi uma guria nuinha no banho/ Fiquei com o coração batendo/ Ela riu/ foi o meu primeiro alumbramento.


Minha formação foi de Zéfiro e revistas suecas - com aquelas mulheres esguias de púbis assustadoramente avermelhados - à 'A Cabana', 'Cães Selvagens', 'Smurfs' E Mais 8 Vídeos Estreiam; Veja Trailers legitimidade da revista Playboy. Teu surgimento pela nação brasileira foi além do escândalo e do sintoma de transformação. Se Freud foi o messias, Hugh Hefner foi aquele que liberou almas sem movimento na culpa.


Freud nos fez ver as afecções neuróticas; Hefner nos levou a pensar gozosas formas de cura. A Playboy tirou o nu do armário, deslocando o teu eixo das hipocrisias do “nu artístico”, para emoldurá-lo pela retórica do erotismo à americana. Prontamente, não víamos mais mulheres mostrando uma nudez com traços de perversão, contudo enxergávamos uma jovem com um corpo humano impecavelmente saudável - branca, loura com um perturbador riso angelical.


A partir da Playboy, a cultura americana nos apresentava o erotismo sem o ranço do escuso, sem as compulsões das neuroses vienenses e sem o peso da responsabilidade imposta pelo credo judaico-cristão. Se o rei Davi fosse um leitor da Playboy, ele enfim poderia observar o banho da linda Betsabá sem responsabilidade nenhuma. Hugh Hefner foi acusado de imoralidade e de machismo. No entanto como um demiurgo vindo de dentro da terra americana - Illinois -, ele soube sublimar sua libido reprimida por pais metodistas (Hefner casou virgem) e pelos valores puritanos de sua cultura. Ele com toda certeza sabia que tua vida e tua invenção eram panfletos contra o escondido e o encoberto.

Don't be the product, buy the product!

Schweinderl